NOVO MANIFESTO PELA FEDERALIZAÇÃO DOS CRIMES DE MAIO, E FIM DA "RESISTÊNCIA SEGUIDA DE MORTE"

quinta-feira, outubro 27, 2011

Mães de Maio ganham o Prêmio Santo Dias de Direitos Humanos 2011

http://al-sp.jusbrasil.com.br/noticias/2900901/premio-santo-dias-tem-cinco-vencedores

26/10/2011 - 20h46

Prêmio Santo Dias tem cinco vencedores

Entre as entidades premiadas,estão o Movimento "Mães de Maio"
Da redação


A Comissão de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana, presidida pelo deputado Adriano Diogo (PT), escolheu nesta quarta-feira, 26/10, os vencedores do Prêmio Santo Dias de Direitos Humanos 2011. Os indicados foram o Movimento Mães de Maio, da Baixada Santista; o Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana (Condepe); a irmã Michael Mary Nolan; o pastor Ariovaldo Ramos dos Santos; a Cooperativa de Egressos, Familiares de Egressos e de Reeducandos de Sorocaba e Região (Coopereso); a médica pediatra Zirva das Graças Pires Pereira e o Centro de Defesa de Direitos Humanos de Campinas.

A comissão decidiu conceder o prêmio a cinco dos indicados " Movimento Mães de Maio, Condepe, irmã Michael, pastor Ariovaldo e Centro de Defesa dos Direitos Humanos de Campinas " e menções honrosas à Coopereso e à Dra. Zirva, bem como aos 20 anos da vinda de Nelson Mandela ao Brasil, evento lembrado pelo SOS Racismo da Assembleia.

Na mesma reunião, foram aprovados o Projeto de Lei 300/2011, do deputado André Soares (DEM), que dispõe sobre a divulgação de mensagem ao consumidor quando da contratação de produtos e serviços fora do estabelecimento comercial e, por três votos a dois, o voto contrário da deputada Leci Brandão (PCdoB) à Moção 23/2007, juntada à Moção 69/2008, que apela ao presidente do senado federal para que não aprove o Projeto de Lei 5003-B/2001, que criminaliza qualquer manifestação contra homossexualidade.

Foram também apreciadas sugestões ao banco de projetos provindos de cidadãos, tendo sido aprovado o encaminhamento de indicação ao governador do processo 12/2010 que sugere tornar o rio Tietê navegável para transporte de caminhões de carga no eixo compreendido entre Salesópolis e a barragem de Jupiá, e do processo 22/2010 que determina a todos os órgãos públicos usar papel reciclável. Aprovou-se, ainda, o encaminhamento de indicação ao presidente da Assembleia da sugestão 29/2011 que determina que o Legislativo estipule meta para reduzir gastos com energia e água e destine os valores a serem economizados para a compra de maquinários para as cooperativas de reciclagem do Estado de São Paulo.

O diretor-presidente da Arcos Dourados Comércio de Alimentos Ltda., José Valedor, convidado pela comissão a prestar esclarecimentos sobre as denúncias de trabalho escravo no McDonalds, não compareceu, alegando não ter recebido o convite em tempo para a preparação necessária à ocasião. A comissão definiu a data de 9/11 para ouvi-lo.

Participaram da reunião os deputados Adriano Diogo, José Candido e Marco Aurélio de Souza, do PT; Leci Brandão, do PCdoB; André Soares, do DEM; Gilmaci Santos, do PRB e Carlos Bezerra Júnior, do PSDB. (DA)


Reunião da Comissão de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana

domingo, outubro 16, 2011

Crimes e omissão em SP (Revista do Brasil)

...

http://www.redebrasilatual.com.br/revistas/64/cidadania

Processos de familiares de mortos pela PM em 2006 são encerrados sem apuração. Entidades querem federalizar investigação, mas não conseguem falar com Alckmin

Leandro Melito
Publicado em 14/10/2011

Alckmin deixou o governo semanas antes dos crimes (foto: Marcello Casal/ABr)

Entre 12 e 20 de maio de 2006, 493 pessoas foram mortas por arma de fogo, segundo dados do Conselho Regional de Medicina. A organização criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC) é responsabilizada pela execução de 43 policiais militares, carcereiros e um bombeiro durante uma onda de rebeliões­ em presídios e ataques a prédios públicos. A movimentação, atribuída à facção criminosa, terminou no dia 15 de maio, supostamente após reunião entre Marcos Willians Camacho, o Marcola, líder da organização, e a cúpula do governo paulista.

“A partir de então a polícia paulista iniciou violento revide”, afirma a ONG Justiça Global no documento intitulado São Paulo sob Achaque, elaborado em parceria com a Clínica Internacional de Direitos Humanos da Faculdade de Direito de Harvard, nos Estados Unidos. Segundo o relatório, as situações da maioria das mortes ocorridas entre os dias 15 e 20 em nada pareciam com casos de legítima defesa. O estudo aponta 122 homicídios com indícios de execução praticados por policiais no período.

Passados cinco anos, a maior crise da segurança pública de São Paulo ainda não foi apurada. Não existe sequer um relatório oficial do Estado que detalhe esses episódios. Em maio passado, a secretária de Direitos Humanos da Presidência da República, ministra Maria do Rosário, pediu ao governador Geraldo Alckmin uma audiência para discutir a transferência, para a esfera federal, das investigações das mortes durante a operação da PM. Até agora ele não se manifestou.

As apurações desses crimes foram arquivadas sem os devidos esclarecimentos, salvo nos casos que envolvem a morte de agentes públicos. Das mortes praticadas por policiais em supostos confrontos, apenas seis oficiais foram denunciados ou indiciados. A Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), departamento de elite de investigação de homicídios no Brasil, esclareceu mais de 85% dos casos em que as vítimas foram agentes públicos e elucidou a autoria de apenas 13% das ocorrências de homicídio com suspeita de participação de policiais.

Sandra Carvalho, diretora adjunta da Justiça Global, diz não se tratar, na maioria dos casos, de arquivamento por falta de provas. “Na verdade, não foram feitas investigações mais detalhadas e exaustivas”, afirma, apontando a falta de proteção adequada para que as testemunhas pudessem depor. “Muitas delas foram sistematicamente ameaçadas, cerceadas. O estado deveria ter criado condições para que pudessem depor em segurança”, avalia. Para James Cavallaro, presidente do conselho da ONG, a participação do alto escalão da polícia paulista pode ter atrapalhado as investigações. “Há indícios de envolvimento não só de policiais dos níveis baixos e intermediários, mas de autoridades de alta patente, o que dificultaria o esclarecimento dos crimes como um todo”, avalia.

É devido à ineficácia do governo estadual em apontar os responsáveis pelos crimes que os pesquisadores defendem a federalização do processo. “Dialogamos com o estado de São Paulo e com várias instituições ao longo desses cinco anos”, afirma Fernando Ribeiro Delgado, da Clínica Internacional de Direitos Humanos da Faculdade de Direito de Harvard. “Não obtivemos uma resposta satisfatória em basicamente nenhum ponto dessa pesquisa. Por isso decidimos encaminhar o caso ao governo federal e ao Congresso Nacional, para que seja instalada uma Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI), e para que o Ministério Público Federal investigue.”

Débora Maria Silva é coordenadora do movimento Mães de Maio. Ela teve seu filho morto pela PM na Baixada Santista

Impunidade
Uma das vítimas da ação policial foi o gari Edson Rogério Silva dos Santos, de 29 anos, filho de Débora Maria Silva. Débora é coordenadora do movimento Mães de Maio, organizado entre as mães que tiveram filhos executados por policiais militares na Baixada Santista em maio de 2006. “A gente viu muitas falhas nos inquéritos e o Ministério Público Estadual não apresentou resposta para nós”, afirma. Segundo o estudo da ONG Justiça Global, a investigação policial sobre o caso de Edson não ouviu testemunhas e não colheu provas importantes, como as fitas das câmeras de segurança do posto de gasolina onde ele teria sido assassinado.

João Inocêncio de Freitas também teve o filho morto em maio de 2006. Dispensado mais cedo do colégio, junto com os demais alunos, Matheus Andrade de Freitas foi com Ricardo Porto, seu colega de classe, a uma pizzaria na rua onde morava. Ambos foram executados. João critica o arquivamento do processo e a tentativa do estado de criminalizar seu filho. “Como o inquérito não andava, a gente foi saber o que estava acontecendo. Sem apurar nada, eles arquivaram”, relata. “O relatório do delegado dizia que meu filho foi morto por dívida de droga e que o outro menino tinha morrido por queima de arquivo. Nós fomos ao 5º Distrito e fizemos nosso depoimento. O promotor corrigiu o relatório e disse que havia indícios da atuação de grupos de extermínio, policiais. Só que depois o caso foi arquivado. Ninguém fez nada.”

Francisco Gomes, pai de Paulo Alexandre Gomes, desaparecido desde maio daquele ano, compara a situação à ditadura. “A impunidade daquele tempo é a mesma até hoje. A ditadura agora é disfarçada de democracia. Fazem o que querem, e fica por isso mesmo”, diz.

Em audiência pública na Assembleia Legislativa de São Paulo, em 29 de agosto passado, Débora Maria Silva reivindicou, na presença da ministra Maria do Rosário, a federalização da investigação dos crimes. “O governo do estado não quer tocar no assunto, mas isso nós exigimos. Mataram nossos filhos e desapareceram com eles. Alguém tem de ser responsabilizado. Se a gente não aponta os algozes dos nossos filhos, apontamos o estado como um todo”, sentenciou. Débora exige que as autoridades se reúnam em Santos, onde têm sido constantes os crimes praticados por grupos de extermínio.

Na ocasião, Maria do Rosário afirmou que um impasse com o governo do estado estaria impedindo o avanço do processo de federalização desses crimes. “Pedi uma reunião com o governo estadual sobre a situação dos grupos de extermínio e as Mães de Maio. Já tem três meses (completados em agosto) e eu ainda estou aguardando. Não gostaria de fazer a reunião em Santos sem antes me reunir com o governo paulista para trabalharmos juntos alguns caminhos.”

Em julho passado, uma reunião do Conselho de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana, presidido pela ministra, decidiu encaminhar à Procuradoria-Geral de Justiça do Estado de São Paulo um pedido de reabertura das investigações sobre as mortes em maio de 2006, assim como sua federalização.

Ministra Maria do Rosário: "Esses crimes não podem ficar impunes"

“Queremos dialogar mais com o governo e com a Procuradoria para que essas investigações sejam reabertas. Aprovamos uma série de procedimentos com o governo federal para transferir essas apurações para a Polícia Federal. Esses crimes não podem ficar impunes”, disse a ministra.

Segundo Rosário, a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SEDH) já encaminhou dois pedidos de audiência ao governo de São Paulo para tratar do tema. Ambos continuam sem resposta. Durante a audiência em São Paulo ela reforçou o pedido à secretária de Justiça do governo estadual, Eloísa Arruda. “Acredito que essa audiência vai nos possibilitar abrir esse caminho com o governador”, afirmou. Na primeira semana de outubro, o impasse permanecia.

Os crimes de maio de 2006 aconteceram um mês após a saída de Alckmin para concorrer às eleições presidenciais. Ele estava à frente do governo estadual havia seis anos. Em seu lugar assumiu o vice, Cláudio Lembo. O governo federal deu os primeiros passos para federalizar a investigação ainda na gestão de Paulo Vannucchi­ à frente da SEDH, quando foi aprovada a criação de uma comissão especial para levantar informações que justificassem a transferência desses crimes para o âmbito federal.

Caso isso venha a acontecer, será o segundo caso de transferência de competência no Brasil após a Constituição de 1988. O primeiro crime contra os direitos humanos federalizado foi o assassinato do defensor público Manoel Mattos, que investigava a atuação de grupos de extermínio na Paraíba.

Mães de Maio pedem engajamento de professores contra extermínio de jovens (Lamparina Urbana)

...

do Blog Lamparina Urbana, de Ribeirão Pires-SP (http://lamparinaurbana.blog.br/ribeirao-pires/maes-de-maio-pedem-engajamento-de-professores-contra-exterminio-de-jovens)

O Movimento de Mães de Maio esteve na terça-feira (11/10) em Ribeirão Pires para encontro com professores da rede estadual de ensino. Originário da Baixada Santista, o grupo que é composto por familiares de jovens assassinados por grupos de extermínio veio à cidade pela primeira vez no inicio de setembro para o lançamento do livro “Do Luto À Luta: Mães de Maio”, que conta sobre o genocídio conhecido como Crimes de Maio de 2006.

Desta vez, as representantes do movimento, Débora Silva, Vera Freitas e Gorete contaram sobre sua luta a representantes de escolas (REs), a convite da Regional de Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra do Sindicato dos professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp). Além de contar sobre as circunstâncias do assassinato de seus familiares e do extermínio de jovens das periferias por grupos compostos por policiais em todo o Brasil, as Mães de Maio ressaltaram a importância do papel das escolas e dos professores no enfrentamento a essa realidade. Elas lembraram que a violência contra a juventude está presente em todas as regioões do país, inclusive em Ribeirão Pires.

Após ouvirem o grupo, professores reconheceram o despreparo das escolas para solução de conflitos envolvendo alunos, geralmente recorrendo à polícia ou repassando os casos para o Conselho Tutelar, que, por sua vez também foram considerados despreparados para responder satisfatoriamente às demandas.

A coordenadora regional da Apeoesp, Elza da Silva, que conheceu o grupo de mães em evento promovido pelo Blog Lamparina Urbana em setembro, disse que os professores têm papel fundamental na questão, devendo se posicionar sobre a realidade que afeta seus alunos. Segundo ela, deve ser preocupação da categoria não reproduzir preconceitos e comportamentos que reforçam a violência contra os jovens. “Não é só com balas que se exterminam pessoas. Também se extermina com descaso e preconceito. Também se extermina segregando”, observou.

Saiba mais sobre o Movimento Mães de Maio

Movimento Mães de Maio ganha apoio em Ribeirão Pires na luta contra grupos de extermínio de jovens

http://lamparinaurbana.blog.br/lamparina-cultural/movimento-maes-de-maio-recebem-apoio-de-ativistas-de-ribeirao-pires-na-luta-contra-grupos-de-exterminio-de-jovens

quinta-feira, outubro 13, 2011

"O Massacre se espalhou pela periferia...", Débora das Mães de Maio

...

"Não há Paz sem Justiça!"

Fala da Débora Maria, das Mães de Maio, no Ato em Memória dos 19 Anos do Massacre do Carandiru.

CONFIRAM O VÍDEO ABAIXO:
video

terça-feira, outubro 11, 2011

Ocupação Dandara - Despejo não! Com Dandara eu luto!

...

Salve Compas,

Nós das Mães de Maio estamos aqui para expressar toda nossa solidariedade à Ocupação Dandara, na periferia de Belo Horizonte-MG. São cerca de 1.000 famílias de guerreiras e guerreiros que ocuparam, há mais de dois anos, um imenso latifúndio urbano ocioso na cidade de BH, e passaram a construir coletivamente uma verdadeira Comunidade.

Agora, depois de construírem coletivamente suas casas, ruas, e todos os espaços comuns, inclusive com um projeto urbanístico premiado, vem o Estado querer despejar violentamente essas cerca de 5.000 trabalhadoras e trabalhadores, como sempre alegando o direito à propriedade privada acima do direito à vida digna. A propriedade privada de uma família de milionários contra a vida de 1.000 famílias de trabalhadores. Um contra mil! Não passará!

As Mães de Maio fazem parte, junto com as companheiras da Dandara, das Brigadas Populares e sua Frente Anti-Prisional, de uma Rede Nacional de Familiares e Amig@s de Vítimas do Estado, e estaremos sempre juntas a lutar por Justiça Social e Liberdade.

As trabalhadoras e trabalhadores, diante de situações como esta, deveriam estar mais junt@s e exercendo uma solidariedade efetiva entre nós tod@s, pois assim como a condição periférica, opressão também é opressão em qualquer lugar.

Portanto as Mães de Maio também são Dandaras! E com a Ocupação Dandara nós lutamos!

Confiram abaixo o Boletim da Resistência com informações, denúncias e a Campanha Internacional de Solidariedade à Dandara!

Some você também nesta Luta, Guerreir@!

MÃES DE MAIO
NÓS TAMBÉM SOMOS DANDARA!
CONTRA O TERRORISMO DO ESTADO!



Ocupação Dandara - Despejo não! Com Dandara eu luto!

BOLETIM DA RESISTÊNCIA

Clique AQUI para ler a Nota à Sociedade e a Programação da Resistência contra o Despejo da Comunidade Dandara.

Confira AQUI a evolução urbanística da Comunidade, com fotos aéreas de julho de 2009, 2010 e 2011.

Veja também FOTOS artísticas da Comunidade Dandara - por Cyro Almeida.

Divulgamos, por fim, o belo PROJETO URBANÍSTICO elaborado por estudantes e profissionais que prestam assessoria técnica à Comunidade Dandara. Tal projeto, construído com a participação direta dos moradores da Comunidade Dandara, foi veementemente rejeitado pela Construtora Modelo durante o processo de negociação.

Abaixo, segue proposta de CAMPANHA INTERNACIONAL DE SOLIDARIEDADE, para que o Brasil e o mundo fortaleça a defesa da Comunidade Dandara!

MEXEU COM A DANDARA,

MEXEU COMIGO!

CAMPANHA INTERNACIONAL DE SOLIDARIEDADE A COMUNIDADE DANDARA, EM BELO HORIZONTE, MG

Se você está fora do país, ou conhece alguém que esteja, contribua com a CAMPANHA INTERNACIONAL DE SOLIDARIEDADE A DANDARA.

Tire foto(s) com um cartaz dizendo “Despejo não. Com Dandara eu luto!”. Assine o nome, local e data da foto. Sugerimos que tal foto seja tirada num local que identifique facilmente o país.

Publique a foto no Facebook e a envie pra comdandaraeuluto@gmail.com

Mais informações sobre Dandara http://www.brigadaspopulares.org/

CAMPAÑA INTERNACIONAL DE SOLIDARIDAD

Se está fuera del país, o conoce a alguien que lo esté, contribuya con la CAMPAÑA INTERNACIONAL DE SOLIDARIDAD A DANDARA.

Saque una foto con el cartel diciendo "Desalojo no. Con DANDARA yo lucho" firme el nombre, el local e fecha de la foto. Sugerimos que tal foto sea sacada en un local que identifique fácilmente el país.

Publique la foto en el Facebook y envíela para comdandaraeuluto@gmail.com

Más información sobre Dandara http://www.brigadaspopulares.org/

CAMPAING OF SOLIDARITY TO DANDARA.

If you are out of our country, or know someone that is living abroad, help us with the INTERNATIONAL CAMPAING OF SOLIDARITY TO DANDARA.

Take photos with a poster saying "No eviction! With dandara I fight!". Sign your name, local and date. We sugest you to take the photos in places that identify easily the country.

Publish it on facebook and send to comdandaraeuluto@gmail.com

More info about Dandara http://www.brigadaspopulares.org/

PROGRAMAÇÃO DA RESISTÊNCIA

1) Dia 10 de outubro de 2011, (segunda) – Reunião emergencial com apoiadores(as)

Horário: 18:30 h – Local: Sindieletro (Rua Mucuri, nº. 271, Floresta, próximo à av. Contorno)

2) Dia 12 de outubro (quarta) – Festa do Dia das Crianças

Horário: a partir das 14:00 h – Local: Comunidade Dandara (Rua Petrópolis, nº. 315, Céu Azul-Nova Pampulha, em frente à garagem de ônibus, próximo a Escola Estadual Dep. Manoel Costa)

3) Dia 16 de outubro (domingo) – Abraço Solidário contra o Despejo da Comunidade Dandara

Horário: a partir das 15:00 h – Local: Comunidade Dandara (Rua Petrópolis, nº. 315, Céu Azul-Nova Pampulha, em frente à garagem de ônibus, próximo à escola estadual Dep. Manoel Costa)

4) Dia 20 de outubro (quinta) – Grande Marcha: Despejo Não. Com DANDARA eu luto.

Horário: a partir das 04:00 h da manhã – Saída: Comunidade Dandara (Rua Petrópolis, nº. 315, Céu Azul-Nova Pampulha, em frente à garagem de ônibus, próximo à Escola Estadual Dep. Manoel Costa); Chegada: Fórum Lafayette (av. Augusto de Lima, nº. 1549, Barro Preto), onde ocorrerá Audiência Judicial de Conciliação designada pelo juiz da 6ª Vara da Fazenda Pública Estadual, na qual tramita Ação Civil Pública proposta pela Defensoria Pública Estadual em defesa da Comunidade Dandara.

Cf. www.brigadaspopulares.orgwww.ocupacaodandara.blogspot.com

--
Ocupação Dandara!
http://ocupacaodandara.blogspot.com

segunda-feira, outubro 10, 2011

10 Anos de Cooperifa!!!

...

Parabéns à Cooperifa pelos 10 Anos de Poesia na Periferia de São Paulo!!!

As Mães de Maio parabenizam pela história e pelo exemplo que os poetas da Cooperifa são para tod@s nós, Guerreiras e Guerreiros Brasileir@s. O Sarau da Cooperifa e todos os Saraus Periféricos de São Paulo são exemplos de resistência e fonte de inspiração poética para nosso movimento.

Aproveitamos a ocasião para agradecer mais uma vez a@s poetas da Cooperifa que gentilmente enriqueceram nosso primeiro livro, "Mães de Maio - do Luto à Luta", com seus contos e poesias especiais: Sérgio Vaz, Rodrigo Ciríaco, Hélber Ladislau, Poeta Dinha e Jairo Periafricania!

A Poesia Periférica traduz muitos dos nossos sentimentos, desejos de justiça e sonhos de liberdade que, muitas vezes, nos escapam das palavras cotidianas.

Muito obrigada por tudo! E muitas décadas mais de vida!

Confiram abaixo a programação da 4a Mostra Cultural Especial de 10 Anos da Cooperifa.

TÂMO JUNT@S!

MÃES DE MAIO





PROGRAMAÇÃO
IV MOSTRA CULTURAL DA COOPERIFA

COOPERIFA 10 ANOS

14 A 23 DE OUTUBRO DE 2011


*Todos os eventos são gratuitos


A Cooperifa é um movimento que transformou o Bar do Zé Batidão, na periferia de São Paulo, em um centro cultural. São dez anos de realização de saraus e valorização da literatura, por meio do incentivo à leitura e à criação poética.

Neste trabalho coletivo de formação de público, a Cooperifa também fez chover livros, promoveu o encontro de leitores e escritores, e divulgou a poesia no ar e nas escolas. Improvisou uma sala de cinema na laje do boteco e abriu espaço para a produção cinematográfica alternativa e das quebradas.

Uma década de atuação que será comemorada nesta 4ª Mostra Cultural com os parceiros que estão juntos na caminhada pela transformação da periferia. Poetas, atores, músicos, dançarinos e ativistas de várias regiões reunidos para celebrar com a comunidade.

De 14 a 23 de outubro, escolas e espaços culturais da Zona Sul serão ocupados por atividades de Literatura (debates, distribuição de livros infantis, feira literária e saraus), Dança, Teatro (adulto e infantil), Cinema e Música (shows e apresentação de orquestra).

Graças aos amigos e parceiros, todos os eventos são gratuitos. Um presente para a comunidade.

Sejam todos bem-vindos.

É tudo nosso!


IV MOSTRA CULTURAL COOPERIFA
14 A 23 DE OUTUBRO DE 2011


ABERTURA - 14/SEXTA - 19H30

UM PANORAMA DOS 10 ANOS DE ATIVIDADES CULTURAIS DA COOPERIFA NA PERIFERIA DE SÃO PAULO, ATRAVÉS DE ESPETÁCULOS DE POESIA, MÚSICA E DANÇA.

CEU CASA BLANCA
RUA JOÃO DAMASCENO, 85 - VILA DAS BELEZAS
TEL.: (11) 5519-5210
_____________________________________

15/SÁBADO

11H - FEIRA LIVRE DE LIVROS E EXPOSIÇÃO

PRESENÇA DE AUTORES DA PERIFERIA DIVULGANDO SEUS LIVROS E EXPOSIÇÃO DE ARTES PLÁSTICAS.

16H - DEBATE:

A ESCRITA E A MILITÂNCIA CULTURAL DAS MULHERES

LU SOUSA - POETA E EDUCADORA
SILVANA MARTINS - SARAU ADEMAR
JÉSSICA BALBINO - ESCRITORA E JORNALISTA
ÉRICA PEÇANHA - ANTROPÓLOGA E PESQUISADORA DA PRODUÇÃO CULTURAL DA PERIFERIA

18h - DEBATE LITERATURA E ATITUDE

ESCRITORES DISCUTEM SOBRE A MILITÂNCIA CULTURAL NA LITERATURA.

MARCELINO FREIRE - ESCRITOR E CURADOR DA BALADA LITERÁRIA
SACOLINHA - ESCRITOR E COORDENADOR DO SARAU PAVIO LITERÁRIO
ADEMIR ASSUNÇÃO - POETA, JORNALISTA E CO – EDITOR DA REVISTA COIOTE
SÉRGIO VAZ - POETA E AGITADOR CULTURAL DA COOPERIFA

20H - SARAU DA COOPERIFA E CONVIDADOS

CASA DE CULTURA M´BOI MIRIM
AV. INÁCIO DIAS DA SILVA, S/N º - PIRAPORINHA
TEL.: (11) 5514-3408
_____________________________________

16/DOMINGO

11H - FESTA DAS CRIANÇAS
ATIVIDADES RECREATIVAS, DISTRIBUIÇÃO DE LIVROS INFANTIS E SHOWS DE

.
QI ALFORRIA
D´QUINTAL
TRIO PORÃO
POESIA SAMBA SOUL
BANDA VEJA LUZ

EMEF MAURO FACCIO GONÇALVES ZACARIAS
AV. RAQUEL ALVES MOREIRA, 823 - PARQUE SANTO ANTÔNIO
TEL.: (11) 5514-3131
____________________________________

17/SEGUNDA

14H - CINEMA NA LAJE ESPECIAL
5 X FAVELA - AGORA POR NÓS MESMOS

PRODUZIDO PELO CINEASTA CACÁ DIEGUES, O FILME TRAZ CINCO DIRETORES ESTREANTES, DE COMUNIDADES DIFERENTES, QUE MOSTRAM A VISÃO DA FAVELA, POR ELES MESMOS.
BRÓDER (JEFERSON DE)
CAPÃO REDONDO, BAIRRO DE SÃO PAULO. MACU, JAIMINHO E PIBE SÃO AMIGOS DESDE A INFÂNCIA E SEGUIRAM CAMINHOS DISTINTOS.

E.E. PROF° HERCULANO DE FREITAS
AV. OLIVIER BACHELIN, 7 - ALTO RIVIERA
TEL.: (11) 5831-1525


18H - DEBATE:

GIROS E GERAS DO VERBO: LITERATURA AFRO-BRASILEIRA E DAS BEIRADAS

ALLAN DA ROSA - ESCRITOR, EDITOR, PEDAGOGO E CAPOEIRA ANGOLEIRO
ELIZANDRA SOUZA - POETA E JORNALISTA
LUAN LUANDO - POETA
MARIO AUGUSTO MEDEIROS - PESQUISADOR DA LITERATURA NEGRA E PERIFÉRICA

20H - GRUPO DE TEATRO CLARIÔ - ESPETÁCULO URUBU COME CARNIÇA E VÔA!

É NEGRO, PERNAMBUCANO DE MURIBECA, BAIRRO PERIFÉRICO QUE LEVA O NOME DO LIXÃO EM TORNO DO QUAL O CONJUNTO HABITACIONAL ONDE MORA FOI CONSTRUÍDO. DO NORDESTE PARA TABOÃO DA SERRA, NAS MÃOS DO CLARIÔ, UM GRUPO FEITO DO MESMO BARRO, DA MESMA PERIFERIA, NUM OUTRO LUGAR, O POETA E SUA POESIA VIRAM TEATRO.

CEU CASA BLANCA
RUA JOÃO DAMASCENO, 85 - VILA DAS BELEZAS
TEL.: (11) 5519-5210

20H - FERNANDINHO BEAT BOX

UMA DAS MAIORES EXPRESSÕES DA ARTE QUE USA A BOCA COMO INSTRUMENTO, POPULARMENTE CONHECIDA COMO BEAT BOX.

EMEF OLIVEIRA VIANA
RUA PROF° BARROSO DO AMARAL, 694
JARDIM ANGELA /JARDIM PLANALTO
TEL.: (11) 5831-0046
_________________________________

18/TERÇA

10H30 E 14H - BALÉ CAPÃO CIDADÃO

APRESENTAÇÃO DOS ALUNOS DAS OFICINAS DE BALÉ DA ONG CAPÃO CIDADÃO
CEU CAPÃO REDONDO
RUA DANIEL GRAN, S/N - JARDIM MODELO
TEL.: (11) 5873-8067

18H - DEBATE:
MILITÂNCIA CULTURAL: COMO A CULTURA PODE INFLUENCIAR O COTIDIANO DA PERIFERIA

EULLER ALVES - GRUPO UMOJA
MARCIO BATISTA - POETA E EDUCADOR
JUNINHO - CÍRCULO PALMARINO
FERNANDO - SARAU VILA FUNDÃO

20H - SHOW: O TEATRO MÁGICO

A TRUPE DO TEATRO MÁGICO DESEMBARCA NA MOSTRA CULTURAL PARA UM SHOW ESPECIAL NO ANIVERSÁRIO DE 10 ANOS DA COOPERIFA

CEU CASA BLANCA
RUA JOÃO DAMASCENO, 85- VILA DAS BELEZAS
TEL.: (11) 5519-5210

20H - CIA SANSACROMA
ESPETÁCULO “A MÁQUINA DE FAZER FALAR”
A ROTINA DO DEPARTAMENTO POLÍTICO DE AUSCHWITZ, QUE ENTRE OUTRAS COISAS SERVIA DE INTERMEDIÁRIOENTRE BERLIM E O CAMPO PARA EFEITOS DA SOLUÇÃO FINAL.

E.E. OCTALLES MARCONDES FERREIRA
RUA DANÇA DE ANITRA, 1 - PARQUE CLAUDIA II
TEL.: (11) 5514-0157
_____________________________________

19/QUARTA


20H - ANIVERSÁRIO 10 ANOS - SARAU DA COOPERIFA

LANÇAMENTO DO LIVRO 100 MÁGOAS, DE RODRIGO CIRÍACO

BAR DO ZÉ BATIDÃO
RUA BARTOLOMEU DOS SANTOS, 797- JARDIM GUARUJÁ
TEL.: (11) 5891-7403
__________________________________________

20/QUINTA

14H - ORQUESTRA TOCA, ZEZINHO!

O OBJETIVO DO PROJETO É MOSTRAR QUE A MÚSICA NÃO É UMA ASSOCIAÇÃO DE SONS E PALAVRAS, MAS SIM UMA RICA LINGUAGEM QUE PODE FAZER A DIFERENÇA NA VIDA DOS ZEZINHOS.
CEU CASA BLANCA

RUA JOÃO DAMASCENO, 85 - VILA DAS BELEZAS
TEL.: (11) 5519-5210

19H - BRAU MENDONÇA
MÚSICO E INSTRUMENTISTA

20H - A QUATRO VOZES

AS IRMÃS DORA, JUREMA E JUSSARA, E SUA SOBRINHA THATIANA, SÃO ACOMPANHADAS DE UM QUARTETO DE INSTRUMENTISTAS E BUSCAM FAZER MÚSICA POPULAR BRASILEIRA DE MANEIRA APAIXONADA.

CEU CANTO DO AMANHECER
AV. CANTOS DO AMANHECER, S/N - JD. MITSUTANI/CAMPO LIMPO
TEL.: (11) 5835-2320

20H - ESPÍRITO DE ZUMBI - ESPETÁCULO “COR RAÇA’

UMA PASSAGEM PELA HISTÓRIA DO BRASIL COLONIAL, PASSEANDO PELOS DOS RITMOS E DANÇAS DA CULTURA AFRO-POPULAR BRASILEIRA.

EMEF PRACINHAS DA FEB
RUA ANTONIO RAPOSO BARRETO, 151 - JD. DAS FLORES
TEL.: (11) 5514-6696

20H - CIA CAPULANAS – ESPETÁCULO SOLANO TRINDADE E SUAS NEGRAS POESIAS
RETRATA A FORÇA DA MULHER NEGRA POR MEIO DAS POESIAS DE SOLANO TRINDADE, ELIZANDRA SOUZA E CAPULANAS.

E.E MÚSICO WANDER TAFFO - PARQUE CLAUDIA II
RUA MANGUALDE, 427 - JD ANTONIETA
TEL.: (11) 5814-8400
____________________________________________

21/SEXTA

13H30 - ESPETÁCULO “CÔCOS E MITOS, UMA AVENTURA NO UNIVERSO DAS LENDAS”
TEATRO DE BONECOS

EMEI CLARICE LISPECTOR
RUA COM MIGUEL MALUHY, 159 - JARDIM GUARUJÁ
TEL.: (11)5514-1864

20H - ESPETÁCULO “SOLTANDO O VERBO”

O GRUPO APRESENTA AO PÚBLICO O PROCESSO DE FORMAÇÃO DA LÍNGUA E SUAS TRANSFORMAÇÕES AO LONGO DOS SÉCULOS, NUM ESPETÁCULO CHEIO DE HUMOR.

EMEF ANNA SILVEIRA PEDREIRA
RUA JOSÉ MANOEL CAMISA NOVA, 550 - JARDIM SÃO LUÍS
TEL.: (11) 5891-1391
_______________________________________________

22/SÁBADO

17H - B. VALENTE
18H - ZINHO TRINDADE
19H - Z’ÁFRICA BRASIL
20H - A FAMÍLIA

CASA DE CULTURA M´BOI MIRIM
AV. INÁCIO DIAS DA SILVA, S/N º - PIRAPORINHA
_______________________________________________

23/DOMINGO

17H - UMOJA
18H - PRETO SOUL
19H - CRIOLO
20H - VERSÃO POPULAR
21H - GOG

CASA DE CULTURA M´BOI MIRIM
AV. INÁCIO DIAS DA SILVA, S/N º - PIRAPORINHA
F: 55143408
___________________________________________________
REALIZAÇÃO:

COOPERIFA
APOIO CULTURAL:
SESC SP
ITAÚ CULTURAL
CENTRO CULTURAL DA ESPANHA - SP
EDITORA TRIP

AGRADECIMENTOS ESPECIAIS:

GLOBAL EDITORA, COMPANHIA DAS LETRAS E CASA POPULAR DE CULTURA M´BOI MIRIM, SUB-PREFEITURA DO M´BOI MIRIM E EUROTUR CÂMBIO E TURISMO

TODAS AS ATIVIDADES SÃO GRATUITAS

INFORMAÇÕES (11) 9342-8687\9391-3503\6599-5499
COOPERIFA@GMAIL.COM

segunda-feira, outubro 03, 2011

CANTO PERIFÉRICO - Rodrigo Ciríaco

As Mães de Maio não temos palavras para agradecer a bela poesia escrita pelo guerreiro Rodrigo Ciríaco, da Cooperifa e do Sarau dos Mesquiteiros, que ele acaba de dedicar a nós Mães. Depois de ouví-la ontem durante o Ato de 19 anos do Massacre do Carandiru, ter ela dedicada a nós é mais que um presente!

Só podemos agradecer muito e dizer que nos sentimos extremamente honradas diante do gesto de um guerreiro como Ciríaco, Professor de História em Escola Pública e Poeta com P maiúsculo, que não cansa de lutar cotidianamente por transformação de todas as injustiças vivenciadas em nossa ingrata sociedade, principalmente pelo povo pobre, preto e periférico. Ele que já tinha engrandecido demais nosso primeiro livro "Mães de Maio - do Luto à Luta" com um belo conto, agora nos oferece mais esta graça!

Não é de hoje que estamos junt@s, Compa Rodrigo, e assim seguiremos cada vez mais!

Você também é exemplo e motivo de grande respeito e admiração por nossa parte!

UM BEIJO NO SEU CORAÇÃO!

FIRMES NA LUTA,
MÃES DE MAIO


Mensagem do guerreiro Rodrigo Ciríaco, da Cooperifa e do Sarau dos Mesquiteiros, em 03/10/2011:

"poema que recitei ontem no Ato Carandiru, 20 anos. Nunca Mais?
gosto do texto e queria dedicá-lo como um presente para as Mães de Maio. com todo respeito.
abraço,


CANTO PERIFÉRICO

dedicado às Mães de Maio
símbolo de luta, dignidade e justiça



Periferia, Periferia...
Peri feria,
Não fere mais
Peri não causa mais azia
Na burguesia
Quando essa ouve Racionais
Quando essa mente ainda mais
Ao dizer que todos os conflitos
Raciais
Classiais
Sociais
Foram deixados lá, pra trás
No século que nem me viu
No séquito que diz que o Brasil
É o pais do futuro
Mas eu pergunto: qual futuro?
Que fruto sobrou pro futuro?
Estará caído podre
Quando podia ser colhido maduro?
Qual o furto feito no palácio
De um prédio nada escuro?
Quem roubou o meu passado?
Quem ainda nega o meu presente?
Alguém aí, sente?
Quem hoje denuncia esta gente?


Periferia, Periferia...
Peri fedia, alguns dizem
Não fede mais
Nem cheira
Hoje queima pedra,
Crack
Na beira do Viaduto do Chá
Enquanto os herdeiros dos barões do café
Continuam a se banhar
Nas margens do rio Tietê
Pô, será que você não vê
Que eles se mudaram pra Pinheiros
E gastaram muita construção
Pra justificar o dinheiro
De uma antiga Águas Espraiadas (Roberto Marinho!)
De uma atual Ponte Estaiada
Que pra mim, na boa
Não serve pra nada
A não ser expor o poder do capital
Esse animal que não sabe olhar pra Peri


Periferia, Periferia
Perimetria disputada
Palmo a Palmo
Tapa a Tapa
Tiros: pá!
De borracha
A dispersar a multidão
Que fechou a rua
Queimou pneus
Ofuscou a lua
Contra a reintegração de posse
E vem, os cão,
Sem vacina
Em posse
Da raiva
E vem, os cão, pra promover
Mais uma chacina
Em posse da carta
Do juiz
Que nos diz:
Que não se pode morar aqui
Que não se pode viver ali na
Periferia


Periferia
E fere
Meus sentimentos
Quando é que Peri vai crescer
E deixar este tormento?
Quando é que a periferia
Vai se tornar o centro?
Não apenas da atenção policial
Quando é que a gente vai deixar as páginas
Do caderno social?
Quando é que a gente será reconhecido
Pelo nosso valor
Cultural
Pelo nosso valor
Ancestral
Pelo nosso valor
Sentimental?
Eu digo, Peri:
Tem que ser hoje
E quem sabe vai ser aqui
Na Periferia



Rodrigo Ciríaco

Apanhado da Repercussão do Ato "Carandiru 19 Anos: Nunca Mais?"

>

TV Brasil - http://tvbrasil.ebc.com.br/reporterbrasil/video/20696/

Rede Globo / G1 - http://g1.globo.com/videos/sao-paulo/v/ato-publico-lembra-os-19-anos-do-massacre-do-carandiru-em-sp/1649776/

TV Gazeta - http://www.youtube.com/watch?v=8s4m6MjWkjE

Jornal A Tarde (Bahia) - http://www.atarde.com.br/videos/index.jsf?id=5772507

Vagner (Sarau da Brasa) recitando "Brasil com P" de GOG - http://www.youtube.com/watch?v=vXzja-W3Vdo

RedeTV - http://www.redetv.com.br/Video.aspx?116,27,222499,jornalismo,leitura-dinamica-1a-ed,civis-relembram-massacre-do-carandiru-que-completa-19-anos

R7 a - http://noticias.r7.com/sao-paulo/noticias/massacre-do-carandiru-acusados-vao-mesmo-a-juri-popular-diz-justica-de-sp-20110930.html

R7 b - http://noticias.r7.com/sao-paulo/noticias/massacre-do-carandiru-completa-19-anos-neste-domingo-com-roda-de-debates-20111002.html

TV Jovem Pan - http://jovempan.uol.com.br/videos/massacre-do-carandiru-completa-19-anos-neste-domingo-60924,1,0

Poesia do Maloca Praque Te Quero - http://malocapraquetequero.blogspot.com/2011/10/massacre-do-carandiru.html

Reflexão e Fotos do Coletivo Perifatividade - http://coletivoperifatividade.blogspot.com/2011/10/2-de-outubro-2011-parque-da-juventude.html

Poesia lida por Rodrigo Ciríaco, da Cooperifa e do Sarau dos Mesquiteiros - http://efeito-colateral.blogspot.com/2011/10/canto-periferico_03.html

Relato no Blog do Nassif - http://www.advivo.com.br/blog/implacavel/19-anos-do-massacre-do-carandiru

Relato em alemão com Fotos no Klaus Hart Brasilien Texte - http://www.hart-brasilientexte.de/2011/10/03/brasiliens-carandiru-massaker-an-haftlingen-in-sao-paulo-okumenischer-gedenkgottesdienst-der-katholischen-gefangenenseelsorge-die-massaker-und-blutbader-gehen-weiter/

Matéria na Rádio CBN - http://cbn.globoradio.globo.com/editorias/pais/2011/09/30/POLICIAIS-ENVOLVIDOS-NO-MASSACRE-DO-CARANDIRU-PODEM-IR-A-JURI-POPULAR.htm



http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/984525-ato-em-sp-lembra-os-19-anos-do-massacre-do-carandiru.shtml

02/10/2011 - 19h03
Ato em SP lembra os 19 anos do massacre do Carandiru
DA AGÊNCIA BRASIL

Dezenas de entidades da sociedade civil realizaram um ato na tarde deste domingo para lembrar os 19 anos do assassinato de 111 presos que cumpriam pena na Casa de Detenção de São Paulo, no bairro do Carandiru, que ficou conhecido como massacre do Carandiru.

Veja galeria de imagens do ato

No dia 2 de outubro de 1992, cerca de 360 policiais invadiram a Casa de Detenção durante uma rebelião, e armados com metralhadoras, fuzis e pistolas, mataram 111 presidiários. A ação dos policiais é considerada um dos mais violentos casos de repressão a rebelião em presídios.

O ato de hoje foi realizado no Parque da Juventude (zona norte de SP), no mesmo local da antiga Casa de Detenção, implodida em 2002.

"O massacre não terminou e continua em nossas periferias com chacinas de população de rua e pessoas pobres. Com o ato de hoje, queremos dar início a uma grande discussão, durante todo o ano, até completar os 20 anos do massacre, sobre a segurança que temos e a segurança que queremos", destacou o padre Valdir João Silveira, coordenador nacional da Pastoral Penitenciária.

Na última sexta-feira (30), o Tribunal de Justiça de São Paulo negou recurso da defesa e decidiu manter a decisão de levar a júri popular os 76 acusados pelo crime. Único membro da operação julgado até agora, o coronel Ubiratan Guimarães, comandante da Polícia Militar, foi inocentado.


Zanone Fraissat/Folhapress

Entidades de defesa dos direitos humanos se reuniram no Parque da Juventude (zona norte de SP)



http://www.band.com.br/noticias/cidades/noticia/?id=100000459732

domingo, 2 de outubro de 2011 - 19h39
Ato lembra 19 anos de Massacre do Carandiru
Dezenas de entidades se reuniram em São Paulo para lembrar a morte de 111 presos na Casa de Detenção, em 1992

Protesto foi realizado no local onde existia a antiga Casa de Detenção, local do massacre em 1992

Rodrigo Dionisio/ Frame/ AE
Da Redação, com Agência Brasil noticias@band.com.br


Justiça manda a júri 116 policiais envolvidos no massacre do Carandiru
Dezenas de entidades da sociedade civil realizaram no final da tarde de hoje um ato para lembrar os 19 anos do assassinato de 111 presos que cumpriam pena na Casa de Detenção de São Paulo, no bairro do Carandiru, conhecido como Massacre do Carandiru.

No dia 2 de outubro de 1992, cerca de 360 policiais invadiram, durante uma rebelião, a Casa de Detenção e mataram, com uso de metralhadoras, fuzis e pistolas, 111 presidiários. A ação dos policiais é considerada um dos mais violentos casos de repressão a rebelião em presídios.

O ato de hoje foi realizado no Parque da Juventude, no mesmo local da antiga Casa de Detenção, implodida em 2002.

“O massacre não terminou e continua em nossas periferias com chacinas de população de rua e pessoas pobres. Com o ato de hoje, queremos dar início a uma grande discussão, durante todo o ano, até completar os 20 anos do massacre, sobre a segurança que temos e a segurança que queremos”, destacou o padre Valdir João Silveira, coordenador nacional da Pastoral Penitenciária.

Na última sexta-feira, o Tribunal de Justiça de São Paulo negou recurso da defesa e decidiu manter a decisão de levar a júri popular os 76 acusados pelo crime. Único membro da operação julgado até agora, o coronel Ubiratan Guimarães, comandante da Polícia Militar, foi inocentado. Ele foi assassinado em seu apartamento, em setembro de 2006.